Lisa Marchiano

Camadas de significado: uma analista junguiana questiona o modelo de identidade para jovens “trans-identificados”

(Publicado originalmente em 25 de setembro de 2016 em https://4thwavenow.com/2016/09/25/layers-of-meaning-a-jungian-analyst-questions-the-identity-model-for-trans-identified-youth/ por Lisa Marchiano).

Lisa Marchiano, LCSW, é uma analista junguiana. Ela escreve no blog theJungSoul.com (Facebook: https://m.facebook.com/thejungsoul) e pode ser encontrada também no  Twitter @LisaMarchiano.

O artigo reflexivo de Lisa contrasta radicalmente com o conselho simplista que vemos de  supostos terapeutas de gênero como este. Para a perspectiva de outra terapeuta cética sobre a técnica “gender affirmative” [ afirmativa de gênero ], veja este post de Lane Anderson, uma ex terapeuta de adolescentes que se identificavam como trans que abandonou o emprego ano passado devido à ética profissional.

Lisa gostaria de agradecer a Miranda YardleyThirdWayTransCarey Callahan por suas contribuições para o texto Apesar de estes três indivíduos terem sido generosos em ceder seu tempo e conhecimento, os pontos de vista expressos aqui são apenas de Lisa.

Lisa está disponível para responder a seus comentários e perguntas na seção de comentários deste post. Além disso, Lisa está interessada em entrar em contato com outros terapeutas que dividem as mesmas preocupações sobre o modelo terapêutico identitário:

Se houver outros terapeutas lendo este texto e estiverem interessados em apoiar o questionamento ou em trabalhar fora do modelo identitário, por favor, faça contato. Contacte-me privadamente no Facebook ou Twitter ou peça a este blog para colocar você em contato comigo por e-mail. Há muitos de nós lá fora. Vamos começar a conversar. 

—–

Como assistente social e analista junguiana, eu fiquei cada vez mais preocupada com a pressa de afirmar o autodiagnóstico transgênero das crianças e dos jovens e, em seguida, transformá-los no sexo oposto. Estou particularmente preocupada com a transição social e a transição médica entre os adolescentes cujo diagnóstico transgênero surgiu “do nada”, isto é, sem uma história significativa de disforia da primeira infância. Eu temo que, através do desejo bem intencionado de validar jovens em sofrimento, os terapeutas estejam descartando princípios básicos de cuidados psicoterapêuticos.

Meu ponto de vista foi formado pelo meu trabalho com destransicionários, bem como com os pais de adolescentes que se identificam como trans. Eu também procurei educar-me ainda mais ouvindo pessoas trans, pais, clínicos, acadêmicos, lésbicas, feministas, educadores, gays e outros que estão escrevendo e falando sobre gênero. Eu acredito que a transição pode ser uma opção viável e até necessária para algumas pessoas. Eu apoio o direito de adultos escolherem essa opção com cuidados e suporte terapêutico apropriados. Eu certamente acredito que as pessoas trans merecem direitos humanos, proteção legal, cuidados humanos e respeito. No entanto, existem potenciais perigos físicos e psicológicos da transição e precisamos exercitar um julgamento clínico inteligente e cautela ao trabalhar com jovens que estão buscando a transição.

Muitas vezes eu vi transativistas e especialistas em gênero promover a “transição social” da identificação de jovens como uma intervenção positiva e “totalmente reversível”. A transição social refere-se a uma série de passos que se pode tomar para apresentar-se como o sexo oposto. Estes podem incluir mudanças no estilo de cabelo, maquiagem, nome, pronomes e vestimenta. Pode-se também começar a enfaixar os peitos[1] ou usar um empacotador[2] para “se apresentar” de forma mais convincente como o sexo oposto. A transição social às vezes é descrita como algo que tem poucas consequências a longo prazo e, portanto, pode ser recomendada com preocupações mínimas, mesmo para crianças pequenas. No entanto, em algumas porcentagens significativas de casos, a transição social leva à transição médica. Parece provável que ser condicionado a acreditar que você é do sexo oposto cria uma pressão cada vez maior para continuar a se apresentar desta maneira. Uma vez que você faz o investimento de se assumir para amigos e familiares, teve professores se referindo a você por um novo nome e pronomes, será realmente tão fácil mudar de volta? As crianças que mudam socialmente quando pequenas jovem podem ter pouca experiência vivendo com seu gênero de nascimento. Quão fácil será desistir[3]?

Pelo menos uma parte do tempo, cada passo para a transição cria pressão para continuar. Numerosas postagens de blogs de detransicionários exploram como a transição tornou a disforia pior, muitas vezes porque o jovem ficou cada vez mais preocupado com a passagem. Este desconforto adicional criou pressão para dar mais passos para a transição a fim de se apresentar de forma mais convincente como sendo do sexo oposto. Para tomar apenas um exemplo, o enfaixamento dos peitos pode trazer alívio para algumas pessoas do sexo feminino que experimentam desconforto com seus seios, mas o enfaixamento em si pode ser bastante doloroso, restringindo a respiração e o movimento – criando assim um incentivo para dar o próximo passo – “cirurgia de topo”/mastectomia dupla. Eu já ouvi[4] uma mãe de um jovem FtM [Female to Male] afirmando que esta fêmea natal “recuperou os pulmões” depois de ter uma mastectomia dupla porque ele não precisava mais enfaixar os seios. Além disso, evidências anedóticas indicam que não é incomum para os adolescentes que mudam socialmente começar hormônios e/ou cirurgias logo após o seu 18º aniversário. Portanto, é claro que a transição social deve ser vista como um tratamento que traz consigo um risco significativo de progredir para a transição médica.

Transição médica refere-se a uma série de intervenções realizadas para alterar o corpo. Estes podem incluir a administração de bloqueadores hormonais a crianças e adolescentes, administração de hormônios do outro sexo, mastectomia, faloplastia, histerectomia, masculinização corporal, orquiectomia, vaginoplastia, cirurgia de feminização facial e outros. Todos esses procedimentos podem ter efeitos permanentes e a maioria deles traz riscos significativos. É incomum (embora não inédito [5]) que menores façam essas cirurgias. No entanto, não é incomum que menores de idade tomem bloqueadores de hormônios e tomem hormônios do outro sexo. E em 100% dos casos relatados na literatura[6] as crianças que tomaram bloqueadores de puberdade passaram a tomar hormônios do outro sexo. A famosa “médica de gênero” Johanna Olson[7] relata que nenhuma criança cuja puberdade foi bloqueada em sua clínica no Hospital Infantil de Los Angeles desistiu depois de continuar no “tratamento hormonal”. Portanto, a afirmação de que os bloqueadores são “100% reversíveis” não é precisa na prática. Na verdade, estar em bloqueadores parece consolidar um investimento em uma identificação do outro sexo. E, embora raramente veja esse “efeito colateral” reportado na mídia convencional, porque os gametas não se desenvolvem quando um adolescente não se submete à puberdade natal, os bloqueadores de hormônios seguidos de hormônios cross-sex resultam em esterilidade permanente e vitalícia 100% do tempo[8].

Os bloqueadores hormonais e os hormônios do outro sexo estão sendo usados off label [ fora do rótulo ] (ou seja, eles não são aprovados pela FDA para este fim). Nós praticamente não temos conhecimento sobre os efeitos a longo prazo de tomar essas drogas ao longo de décadas, já que qualquer pessoa que comece a transição quando jovem provavelmente o fará. De acordo com Madeline Deutsch[9], diretora clínica da Universidade da Califórnia, centro de excelência para a saúde transgênero de San Francisco, “cientificamente faz sentido que, se alguém estiver tomando hormônios há décadas, é altamente provável que eles estejam em maior risco [para certos problemas de saúde] do que alguém que começou a tomar hormônios aos 40 ou 50 anos.” Mesmo os principais especialistas em gênero pediátrico admitem que há uma boa quantidade de bons dados sobre os resultados de transição a longo prazo.

Certamente, existem riscos. Os hormônios do outro sexo mudam os corpos com bastante rapidez. Algumas dessas mudanças são irreversíveis, como uma voz mais grave, pelo facial e calvície para testosterona e crescimento das mamas e, potencialmente, infertilidade para o estrogênio. Além disso, o uso de hormônios cross-sex traz consigo possíveis efeitos colaterais negativos[10]. Meninas que tomam testosterona terão maior risco de desenvolver diabetes, câncer de endométrio, danos no fígado, câncer de mama, ataque cardíaco e acidente vascular cerebral. Pode haver outros efeitos adversos de que não temos conhecimento neste momento, uma vez que o uso prolongado de testosterona em pessoas do sexo feminino é um fenômeno relativamente novo que não foi adequadamente estudado.

Eu temo que existam jovens que transicionem – com a pronta ajuda de terapeutas, médicos e outros – que podem se arrepender dessas intervenções e precisam chegar a um acordo com mudanças permanentes e, em alguns casos, drásticas em seus corpos. Na verdade, eu sei que isso já está acontecendo. Eu tive um contato considerável com a crescente comunidade de destransicionários. Em muitos casos, o ódio e desconexão de seus corpos que esses jovens experimentaram foi devido a trauma sexual, homofobia internalizada ou bullying. Em vídeos e blogs, as mulheres jovens falam sobre sua tristeza sobre suas vozes e seios perdidos. Os destransicionários masculinos lamentam a perda de seus testículos, a perda de sua capacidade de terem orgasmo e em alguns casos a perda de fertilidade. Muitos tiveram complicações de hormônios, como atrofia vaginal, dano nervoso ou dor crônica. Você pode ouvir algumas dessas histórias aqui[11], aqui[12] e aqui[13], entre outros lugares.

Eu também falei com muitos pais. Suas histórias são tão dolorosas. Estes geralmente envolvem um adolescente que estava ansioso, deprimido, socialmente isolado ou que sofria de PTSD [ em português, TEPT – transtorno de estresse pós-traumático ] que vem a se identificar como trans após uso excessivo da internet em sites de redes sociais. Esses pais relatam que os profissionais de saúde mental estão validando o autodiagnóstico do transgênero após umas poucas sessões de terapia, sem qualquer exploração de problemas de saúde mental anteriores, trauma, orientação sexual ou histórico de comportamento em desconformidade de gênero. Isso claramente viola as recomendações da APA, que exigem cautela especial no tratamento de adolescentes que apresentam disforia de aparecimento repentino.

Tudo isso se resume a uma questão essencial: quando tratamos alguém com disforia de gênero, fazemos isso usando um modelo de saúde mental ou um modelo de identidade?

Um modelo de identidade é baseado na crença de que devemos ser capazes de definir nossas próprias experiências para nós mesmos. Ele proclama que cada um de nós tem o direito de atribuir nosso próprio significado às nossas vidas, nossos sentimentos e nossos corpos. Nós conseguimos decidir quem somos e ninguém tem autoridade sobre a nossa autopercepção. Um modelo de identidade oferece respeito e autodeterminação para cada pessoa definir-se como eles gostariam.

Um modelo de identidade tem um lugar na psicoterapia. Como pessoas, todos nós auto-identificamos aspectos de nossa personalidade, valores e experiências de maneiras que muitas vezes são muito importantes para nós. Podemos nos identificar como católicos ou como democratas. Podemos nos identificar como um artista, um introvertido ou uma lésbica. Como terapeutas, aceitar e afirmar a auto-identificação de nossos clientes é importante e empoderador. Como terapeutas, podemos aceitar e simpatizar com a história de um cliente sobre sua experiência de vida. Podemos manter esta história tão valiosa e importante quer concordemos ou não de forma objetiva com ela. Enquanto a história do cliente não levar a comportamentos inadequados, não precisamos desafiar ou tentar desacreditar ou refutar essa auto-identificação.

No entanto, um modelo de identidade para trabalhar com pessoas transgênero vai mais longe. Um modelo de identidade estipula que é errado explorar ou questionar a identidade autodeterminada de um cliente. A disforia de gênero é vista como evidência de que alguém é transgênero e o simples fato de se perguntar sobre razões psicológicas subjacentes para a disforia ou explicações alternativas para sintomas é visto como sinônimo de negar a identidade de uma pessoa. Aplicar nosso próprio julgamento clínico ao auto-diagnóstico proclamado de alguém é visto como intolerante e errado. Nosso papel como terapeutas se torna limitado apenas à afirmação entusiástica.

Em contraste, quando estamos trabalhando em um modelo de saúde mental, entendemos que os clientes chegam até nós com sintomas que causam angústia e podem interferir no funcionamento cotidiano da pessoa. Como terapeutas, devemos estar interessados em ajudar a aliviar ou gerenciar sintomas, além de ajudar a entender a causa subjacente do sintoma. Se somos orientados psicodinamicamente, um pressuposto básico de nosso trabalho é que cada sintoma tem um significado além da sua apresentação superficial e a maior parte do nosso trabalho é ajudar nossos clientes a compreenderem esse significado.

Em oposição a um modelo de identidade, a principal tarefa em terapia de saúde mental com um cliente com disforia de gênero seria explorar profundamente os sintomas sem fazer pressupostos sobre o que os sintomas significam. Na verdade, enquanto a terapia de identidade sabe o que a disforia de gênero significa – ou seja, que o cliente é trans – a terapia de saúde mental começará com a suposição de que não temos ideia do que o sintoma significa. Nós devemos estar abertos ao significado que emerge para os pacientes enquanto exploramos sua experiência com eles.

Procurar compreender profundamente a natureza, a qualidade e a etiologia da disforia não é o mesmo que negar a realidade ou a importância do sintoma. Quando eu exploro a ansiedade de um cliente – quando começou? O que tende a desencadear? Como é? – não estou sugerindo que eu não sinta que a ansiedade não é importante e nem que seja ilusória. À medida que entendemos mais sobre a experiência única de um sintoma de um cliente, podemos desenrolar o significado por trás do sofrimento para que o problema se resolva de uma maneira surpreendente e inesperada. Ou podemos simplesmente obter melhores informações sobre o melhor curso de tratamento para aliviar o sintoma para essa pessoa em particular.

Um modelo de identidade não é uma base apropriada em se prescreve intervenção médica permanente e drástica.

Um modelo de identidade não deixa espaço para um terapeuta exercer seu julgamento clínico. Desaprova a possibilidade de uma avaliação completa e de um diagnóstico diferencial. De acordo com o modelo de identidade, o autodiagnóstico do cliente não é para ser questionado ou explorado. Portanto, causas alternativas para a disforia não podem ser buscadas. Como em muitos outros problemas de saúde mental, os sintomas de disforia de gênero podem ser causados por coisas muito diferentes. Sentir-se desconfortáveis com ou desconectados com o próprio corpo pode acompanhar espectro autista, ter experimentado um trauma; ter bipolaridade, ter algum transtorno alimentar[14] ou experimentar homofobia internalizada. E, infelizmente, é uma experiência normal para meninas adolescentes, das quais 90% delas expressam insatisfação[15] com seus corpos.

Um modelo de identidade destrói o paradigma de diagnóstico normal em que o paciente apresenta sintomas e o médico faz o diagnóstico. Em um modelo de identidade, o diagnóstico é a identidade. Isso tapa o foco na resolução e gestão de sintomas porque a prioridade se torna afirmar a identidade. Quando sintomas são vistos como validação de uma identidade, julgamento clínico se torna irrelevante.

Antes de determinar que uma pessoa jovem deve passar por tratamentos drásticos que possam alterar permanentemente seus corpos e levar à esterilização permanente, deve ser realizada uma avaliação completa que explore todos os fatores potenciais que contribuem para a disforia. Infelizmente, porque a exploração da disforia de gênero é interpretada por alguns como equivalentes a “terapia de conversão”, esse tipo de avaliação extensiva frequentemente não é feita. Embora os dados sejam escassos, eu pessoalmente tive contato com dezenas de jovens e/ou suas famílias que receberam um diagnóstico transgênero e uma prescrição para hormônios após uma a três consultas com um terapeuta. De acordo com esta pesquisa de mais de 200 mulheres destransicionárias[16], 65% daquelas que fizeram a transição não receberam nenhuma terapia, seja porque foram encaminhadas para tratamento na primeira visita, passaram por uma clínica de consentimento informado ou compraram hormônios através de fontes não oficiais. (A idade média para a transição inicial nesta pesquisa foi de 17 anos). Apenas 6% das entrevistadas sentiram que receberam aconselhamento adequado sobre a transição. De fato, de acordo com a ideologia da identidade de gênero, uma avaliação minuciosa é vista como “policiamento” inadequado, pois haveria algum modo a limitar e controlar o acesso a transição.

Um modelo de identidade não nos permite excluir casos de transgenderismo onde o contágio social pode estar em jogo. Parece bastante provável que o aumento notável nos adolescentes que se identificam como trans nos últimos anos se deve, pelo menos em parte, ao contágio social. Houve um aumento repentino e brusco no número de crianças e adolescentes se apresentando nas clínicas de gênero. A primeira clínica de jovens transgêneros abriu em Boston em 2007. Desde então, foram abertas 40 outras clínicas que atendem exclusivamente a crianças. Inexplicavelmente, a proporção de pessoas do sexo masculino a pessoas do sexo feminino girou bruscamente, com muitas mais adolescentes do sexo feminino agora se apresentando nas clínicas[17]. Muitos desses jovens começaram a apresentar disforia “do nada”, como adolescentes após um uso extensivo de mídias sociais e que não haviam expressado nenhuma variação de gênero antes. Este aparecimento, agora comum, foi praticamente desconhecido, mesmo um punhado de anos atrás. Milhares de vídeos caseiros em sites como o YouTube relatam as transições de gênero de adolescentes. Esses adolescentes mostram seus novos músculos ou pelo. O blog do Tumblr Fuck Yeah FTMs[18] apresenta mais e mais fotos de jovens FtMs [Female to Males (Mulheres transicionando para Homens)] comemorando as mudanças feitas pela testosterona. “Eu finalmente tenho liberdade!”, os cartazes se vangloriam sob fotografias de sua caixa de cicatrizes pós-mastectomia. “Eu não sou mais pré-T!” vangloria sob outro vídeo de alguém injetando testosterona. Quase todos esses cartazes são de pessoas com menos de 25 anos de idade. De acordo com Jen Jack Gieseking, uma acadêmica e pesquisadora de Nova York que foi entrevistada pela BBC[19] Radio 4 em maio passado, “na verdade não há uma pessoa trans que encontrei, com menos de 30 anos, que não estava no Tumblr”. São múltiplos relatórios online críveis de grupos grandes de amigos que estão se assumindo juntos como trans.

Mas a correlação não é causalidade. À medida que esta brilhante postagem no blog[20] explora, o fator de contágio apenas fala com a maneira particular em que os jovens optam por lidar com a aflição. Não é que a internet está “causando” o aumento do transgenderismo. É que muitos jovens – particularmente jovens do sexo feminino – estão se sentindo alienados de seus corpos devido a trauma, à cultura pornô, aos padrões sociais de beleza, aos papéis opressivos de gênero, ao sexismo, à homofobia e assim por diante. O autodiagnostico como transgênero torna-se uma maneira atraente de lidar com a alienação porque é tão válido e até mesmo celebrado na cultura e na mídia convencional. Para os terapeutas, um modelo de terapia de identidade não nos permite reconhecer o papel do contágio social, embora o contágio tenha sido bem documentado através da contribuição para grupos de suicídio e outros comportamentos[21].

Um modelo de terapia de identidade encoraja-nos a não colocar salvaguardas no local para evitar que os jovens façam tratamentos dos quais mais tarde possam se arrepender. De acordo com um modelo de identidade, o autodiagnóstico como trans nunca deve ser questionado. Porque isso implicaria em falta de apoio e até mesmo em intolerância. Portanto, o médico não deve impedir a transição para o “eu autêntico” da pessoa. Devido a isso, um número crescente de menores está sendo submetido a hormônios e até mesmo a uma cirurgia que irá alterar permanentemente seus corpos. Até 18 anos, provavelmente ainda é muito jovem para tomar decisões médicas importantes. Nos casos em que o jovem de 18 anos está tomando decisões médicas com base em uma transição social que iniciou anos antes, é ainda mais provável que esse jovem não tenha cuidadosamente considerado as consequências da transição. Os principais médicos de gênero esperam ver a idade recomendada para a “cirurgia de fundo” abaixada[22].

Em contraste, não é fácil para pacientes não-trans serem esterilizados antes da idade adulta. Por exemplo, em Massachusetts, um paciente deve ter pelo menos 21 anos de idade para se qualificar para cirurgias de esterilização sob o esquema de saúde pública do estado. Quando tal cirurgia é realizada, os pacientes são cuidadosamente aconselhados e devem assinar um formulário declarando que eles compreendem a natureza permanente do procedimento e que não desejam gestar ou criar filhos. Os pacientes devem então aguardar um mínimo de 30 dias após a assinatura do formulário antes da cirurgia. Este procedimento foi posto em prática porque a esterilização cirúrgica estava apresentando uma alta incidência de arrependimento. Por que não existem salvaguardas semelhantes para os jovens que se identificam transgêneros que desejam amputação de órgãos saudáveis e/ou se esterilizar?

Há uma riqueza de pesquisas sobre o desenvolvimento cognitivo e emocional na adolescência. A conclusão é que[23] os adolescentes e os jovens adultos são mais propensos a agir impulsivamente, não conseguem avaliar bem os riscos e são mais emocionalmente reativos. É por estas razões que não permitimos que os adolescentes bebam, façam tatuagens ou usem camas de bronzeamento sem o consentimento de um adulto.

Um modelo de identidade não nos permite examinar a homofobia que impulsiona algumas – possivelmente muitas – transições. De acordo com uma extensa pesquisa sobre desistência[24], uma grande maioria de crianças que se identificam como o sexo oposto não continuarão a se identificar quando chegarem a idade adulta. A maioria daqueles que desistiram virá a se identificar como lésbica ou gay. Meninos “femininos” são, na verdade, muitas vezes mais propensos a crescer e se tornarem homens homossexuais do que mulheres transgêneros. O mesmo é verdade para as meninas “masculinas”. Muitas blogueiras lésbicas (como esta[25] e esta[26]) estão muito preocupadas com o fato de que a tendência atual de transição dos jovens prejudica desproporcionalmente lésbicas e gays e seus medos parecem ser bem fundamentados. Esta mãe cristã conservadora do Texas[27] estava preocupada pelo comportamento “extravagante e feminino” de seu filho. Em vez de aceitar a apresentação desafiadora de gênero de seu filho, ela decidiu que ele é transgênero. Ela agora tem uma “filha” muito bonita conformada ao gênero.

Existe uma preocupação generalizada na comunidade lésbica de que muitas jovens que poderiam ser mulheres lésbicas ou bissexuais estão achando mais fácil se tornar “homens heterossexuais” devido à homofobia internalizada[28]. Neste artigo[29], Mason, de 14 anos, descreve como ele sabia que era transgênero. “Eu sempre soube que havia algo sobre como eu me sentia sobre eu mesmo”, diz Mason, que como Madelyn se recusava a usar rosa ou vestir roupas estereotipicamente femininas. “Eu pensei que era gay ou bissexual ou algo assim”. Alguns anos atrás, Madelyn provavelmente teria crescido para ser uma mulher lésbica ou bissexual. Parafraseando o psiquiatra Ray Blanchard[30], certamente é preferível que ela se torne uma mulher lésbica razoavelmente bem ajustada ao invés de alguém que se identifica como um homem trans que fez várias cirurgias irreversíveis e passou a vida inteira sob uso de remédios.

Um modelo de identidade nos torna incapazes de provocar outras preocupações de saúde mental que podem afetar o desejo de transição. Há pesquisas consideráveis que apontam para uma alta probabilidade de co-ocorrência de transtornos em pessoas jovens que desejam transicionar. Por exemplo, este estudo[31] de 2015 observou que “a psicopatologia grave que precede o início da disforia de gênero era comum. Os problemas do espectro de autismo eram muito comuns.” Neste estudo, 68% da população teve contato inicial com serviço psiquiátrico por razões diferentes da disforia de gênero. Treze por cento estavam sendo tratados por sintomas psicóticos.

Este estudo[32] de 2004, encontrou taxas elevadas de “comorbidade”[33] naqueles com disforia de gênero e observou que isso muitas vezes não foi levado em consideração quando o planejamento do tratamento foi feito para esses pacientes. “Resultados: 29% dos pacientes não tinham nenhum transtorno do Eixo I atual ou permanente; 39% preencheram os critérios para atual e 71% para o diagnóstico de Eixo I atual e/ou permanente. 42% dos pacientes foram diagnosticados com um ou mais transtornos de personalidade. Conclusões: A comorbidade psiquiátrica ao longo da vida dos pacientes com transtorno de identidade de gênero é alta e isso deve ser levado em consideração na avaliação e planejamento do tratamento de pacientes com transtorno de identidade de gênero”.

Este estudo de 2015[34] encontrou uma ligação entre a disforia de gênero e os sintomas dissociativos secundários ao trauma. De acordo com este blogueiro[35], trauma e dissociação eram uma grande parte de seu desejo para transicionar. Isso também foi verdade para este blogueiro aqui[36]. Histórias semelhantes de destransicionários com histórias de trauma não tratados abundam.

Um modelo de identidade não nos permite levar em conta prévios relatos de pais ou terapeutas que podem não concordar com o autodiagnóstico do paciente. Recebi dezenas de emails perturbados de pais que tentavam em vão fazer terapeutas de gênero ouvi-los quando eles compartilhavam informações sobre o histórico de saúde mental de seus filhos que deveriam ser levados em consideração ao avaliar e tratar a disforia de gênero. Embora eu não consiga compartilhar o conteúdo desses emails sem violar a privacidade das pessoas, posso apontar para alguns lugares online onde os pais frustrados têm compartilhado histórias semelhantes. Por exemplo, este professor de trabalho social[37] afirma que o terapeuta de gênero não revisou os registros de educação especial da filha ou falou com o terapeuta anterior antes de recomendar hormônios e cirurgia para esta jovem adolescente autista.

Pais com quem eu tive contato me falaram sobre seus filhos com histórico de ansiedade, ataques de pânico, depressão, trauma, perda, transtorno bipolar, anorexia, automutilação, transtorno de personalidade limítrofe e psicose. Nesses casos, assim que o jovem criou seu autodiagnóstico transgênero, o foco da terapia mudou para somente isso. Os receios, preocupações e informações dos pais sobre tratamentos passados foram desconsiderados como obstrutivos e transfóbicos. Não estou alegando que isso esteja acontecendo em todos os casos. No entanto, certamente está acontecendo com algum grau de regularidade.

Um modelo de identidade não nos permite questionar a incoerência da ideologia da identidade de gênero. Enquanto a disforia de gênero parece ser um termo de diagnóstico significativo que descreve um conjunto de sintomas – ou seja, desconforto intenso com o corpo com características sexuais específicas de alguém – não é por isso que SE está “preso no corpo errado”, se tem um cérebro “feminino” ou “masculino” ou mesmo uma “identidade de gênero” que não corresponde com o corpo de alguém. Embora o conceito de identidade de gênero esteja sendo consagrado pela legislação, a verdade é que não temos uma definição significativa do termo. (Para uma excelente análise da incoerência do termo, veja o trabalho de Rebecca Reilly Cooper[38].) Quando uma pessoa trans-identificada é perguntada sobre como eles sabem que são transgêneros, eles geralmente não conseguem responder às perguntas sem fazer referência a papéis sexuais estereotipados. Por exemplo, um médico que prescreveu hormônios do outro sexo para uma pessoa do sexo feminino de 12 anos[39] declarou que a criança “nunca vestiu um vestido”. Isso foi oferecido como prova de que a criança é “verdadeiramente trans” e, portanto, que precisa desses hormônios. Eu argumentaria com força que as preferências de roupas não deveriam ser uma razão para esterilizar permanentemente uma criança.

Não faz sentido dizer que os órgãos sexuais não são importantes e depois afirmar uma diferença primária e essencial baseada em um cérebro “com sexo”. Os cérebros não têm sexo. É absurdo argumentar que o sexo cromossômico, os órgãos genitais e o sistema reprodutivo completo são sem significado e irrelevantes ou uma construção social e então afirmar que um sentimento subjetivo do gênero oposto é determinante. Não há uma ciência robusta por trás da noção de identidade de gênero. Os jornalistas foram rápidos em relatar estudos que parecem provar diferenças cerebrais entre aqueles que são transgêneros. No entanto, como o pesquisador de sexologia James Cantor apontou[40], esses estudos realmente parecem estar documentando diferenças cerebrais entre aqueles que são homossexuais.

Se você quiser ver uma revisão de algumas das publicações existentes sobre apoio com uma base biológica para a disforia de gênero, esta publicação no blog[41] faz um bom trabalho. Existem alguns estudos sólidos que parecem indicar que a exposição genética ou hormonal pré-natal pode desempenhar algum papel no desenvolvimento da disforia de gênero. Isso não é realmente surpreendente. Praticamente todos os diagnósticos no DSM – desde a depressão até a anorexia, até o transtorno de personalidade limítrofe – tem algum componente genético. A disforia de gênero é real. Tal como acontece com outros diagnósticos de saúde mental, suas causas são provavelmente complexas e envolvem fatores genéticos, biológicos, ambientais e psicológicos. Mas não resulta de nada disso que o sofredor tenha uma “identidade de gênero” inata que deve substituir qualquer consideração do sexo biológico objetivo. O distúrbio dismórfico do corpo está associado a diferenças cerebrais e parece ter um componente genético e, no entanto, o componente biológico da condição não determina que entendamos o sofrimento do paciente para refletir a realidade objetiva[42].

Os transativistas afirmam que “o gênero está entre as orelhas, não entre as pernas”. No entanto, essa é uma afirmação ideológica, baseada na fé, que não pode ser cientificamente validada. O que é “entre nossos ouvidos” – o que significa nossa experiência interior de nós mesmos como pessoa de gênero – é puramente subjetivo. Neste contexto, afirmar que uma pessoa é transgênero é uma afirmação de fé infalível. Na realidade, sentir-se como do outro sexo não significa de modo algum que você seja do outro sexo. A identidade é um aspecto importante da própria experiência. Nós conseguimos definir-nos subjetivamente e eu argumentaria que os adultos devem ser capazes de modificar seus corpos de acordo com o senso de si mesmos. No entanto, a identidade subjetiva não deve ditar a necessidade de tratamento médico de qualquer tipo, especialmente tratamentos de alteração do corpo com perfis de efeitos colaterais altamente significativos para menores ou jovens.

Um modelo de identidade não nos permite considerar os resultados do tratamento criticamente. A pesquisa sobre os resultados após a transição é confusa, na melhor das hipóteses. É bem sabido que um estudo mostrou que 41% das pessoas transgêneros experimentaram ideação suicida ou automutilação. É menos conhecido que o estudo não indica se a tentativa foi antes ou depois de receber cuidados de transição. Vários grandes estudos mostram taxas surpreendentemente elevadas de suicídio entre pessoas transgêneros que têm transição médica (veja aqui[43] e aqui[44]). Foi argumentado que as taxas de suicídio continuam a ser altas após a transição devido ao preconceito social. Embora isso seja verdade, algumas vezes, os transgêneros pós-transição são mais propensos a “se passar” como o gênero-alvo e, portanto, devem ser menos sujeitos a discriminação. Dadas as inegavelmente elevadas taxas de suicídio em transexuais pós-transição, é falso afirmar que a transição é uma panaceia que irá prevenir o suicídio.

Embora este estudo tenha apresentado resultados positivos[45] para a transição precoce, apenas 55 indivíduos foram incluídos. Talvez mais importante seja que eles foram avaliados pela última vez em um ano após a cirurgia de reatribuição de sexo. Na pesquisa de mulheres destransicionárias[46], a duração média da transição foi de quatro anos. Parece possível que alguns dos 55 indivíduos acompanhados no primeiro estudo pudessem se arrepender se fossem acompanhados por mais tempo. É preocupante que um dos 70 indivíduos convidados a participar do estudo não conseguiu fazê-lo porque morreu como resultado de fascite necrosante pós-cirúrgica após passar por uma vaginoplastia.

Enquanto a mídia está cheia de histórias de jovens se tornando mais felizes e mais confiantes depois de terem a permissão de transicionar, há algumas evidências de que isto não é sempre o caso. Além da pesquisa que documenta altas taxas de suicídios pós transição, estou ciente de evidências esparsas de continuidade ou mesmo aumento da ansiedade e da depressão, isolamento social[47], hospitalização psiquiátrica e resultados acadêmicos ruins para aqueles que fizeram a transição.

Um modelo de identidade não nos permite explorar outras opções para lidar com a disforia. A transição – social e médica – é atualmente o único tratamento comumente prescrito para a disforia do gênero. Se o que estamos tratando é um desconforto agudo com o corpo de alguém, parece razoável oferecer uma variedade de tratamentos diferentes antes de prescrever transição, incluindo antidepressivos, terapias de escuta e habilidades de regulação emocional para ajudar os pacientes a gerenciar sua aflição. No entanto, nenhum desses tratamentos é rotineiramente prescrito para a disforia de gênero. Na pesquisa de 200 mulheres destransicionárias[48], porcentagens significativas delas declararam que encontraram formas alternativas de lidar com a disforia além da transição. Destransicionária[49] e terapeuta em treinamento, Carey Callahan oferece várias técnicas específicas que ela achou úteis em seu blog[50]. Clínicos e pesquisadores deveriam estar explorando essas experiências para encontrar outros tratamentos efetivos para a disforia além da transição.

[ Frase da imagem: “Eu me contradigo? Pois muito bem. Eu contradigo o que eu digo; eu sou grande – eu contenho multidões” (Walt Whitman)] .

Um modelo de identidade parte de alguns pressupostos questionáveis sobre a natureza da identidade e a nossa capacidade de conhecer a nós mesmos. Um modelo de identidade baseia-se na noção de que a identidade é imutável, essencial e cognitiva. Esta não é minha experiência na natureza humana. Identidades são úteis para aproximar algo sobre nós mesmos. São construções que nos permitem falar sobre nossa experiência. Mas elas não são verdades absolutas e raramente dizem algo sobre nossa essência mais essencial, misteriosa e incognoscível. Para citar Whitman, “Eu me contradigo? Muito bem, então, contradigo-me. Eu sou grande. Eu contenho multidões.” Tive a sorte de me contradizer muitas vezes na minha vida – contradizer-me sobre coisas que durante algum tempo pareciam totalmente essenciais e absolutamente verdadeiras. Eu acredito que esta é uma experiência humana universal e ainda outra razão pela qual fazer mudanças permanentes no corpo de uma pessoa em uma idade jovem deve ser abordada com extrema cautela.

Um modelo de identidade torna impossível para nós reconhecermos ou discutirmos as razões variadas pelas quais uma pessoa pode querer fazer a transição. O desejo para transicionar provavelmente tem muitas e variadas causas. Ver todas as transições como uma expressão de identidade de gênero inata obscurece as diferenças muito reais entre a situação de uma pessoa e outra pessoa, tornando impossível de avaliar e tratar as pessoas de forma individualizada. Uma transição tardia de autoginefilia[51] MtT (alguém do sexo masculino para pessoa trans) tem uma experiência de disforia de gênero que é muito diferente da de uma lésbica de quinze anos e a experiência do anterior não deve de modo algum ditar como entendemos ou tratamos este segundo.

Um modelo de identidade cria uma falsa dicotomia entre afirmação e intolerância. De acordo com a narrativa atual, a única resposta de apoio a um adolescente que se identificou como transgênero é afirmar essa identidade e começar a transição imediatamente. Qualquer outra resposta é rapidamente rotulada como transfóbica. Na realidade, há uma grande variedade entre ajudar uma criança na transição imediatamente e afirmar que elas são e sempre foram mesmo do sexo oposto e enxovalhar e ridicularizar o desejo de transicionar ou tentar coercitivamente fazê-los conformar-se a rígidas expectativas de gênero. Pais podem comunicar seu amor e apoio incondicional. Pais podem oferecer consolo enquanto a criança luta contra sentimentos angustiantes. Pais podem procurar ajuda psicoterapêutica legítima para oferecer espaço para que o jovem explore e compreenda o desejo de transicionar. Os adolescentes geralmente desenvolvem fortes crenças sobre o que devem fazer ou ter e é sabido que essas crenças e demandas nem sempre são sólidas ou racionais. Nunca antes os pais de adolescentes disseram que eles têm que concordar com as demandas de seu adolescente ou arriscar-se a causar danos irreparáveis. Pais dos adolescentes sempre tiveram que intervir e estabelecer limites carinhosos sobre o comportamento que pode não ser de melhor interesse do jovem a longo prazo. Ao lidar com uma criança que se diagnosticou como transgênero, os pais podem fazer o que os pais de adolescentes sempre fazem – estabelecer limites sensíveis e ajudar a criança a refletir sobre as possíveis consequências de suas ações. Pais podem assegurar a criança do seu amor e aceitação em curso se ele ou ela eventualmente optar, quando adulto, pela transição.

Um modelo de identidade oferece um tipo inferior de terapia para aqueles que se identificam como transgêneros. Como o blogueiro Third Way Trans[52] apontou, “se alguém é um membro de uma classe dominante, recebe psicoterapia normal, mas, se não estiverem na classe dominante, eles recebem um tipo especial de terapia de justiça social”. Aqueles que entraram em tratamento com disforia de gênero não têm a oportunidade de explorar profundamente sua experiência, mas sim a de ter seus autodiagnósticos afirmados. pessoas que precisam viver como do sexo oposto para ter a vida mais feliz e completa possível. Esses indivíduos podem precisar considerar tomar hormônios ou fazer uma cirurgia. Certamente, essas pessoas merecem ter um lugar para explorar essas consequentes decisões sem preconceito em favor de um resultado específico para que um processo de discernimento cuidadoso possa ocorrer. Se os terapeutas são apenas “líderes de torcida” para a transição, como alguém nesta situação pode obter ajuda para tomar a melhor decisão?

Eu acredito que devemos oferecer aos clientes com disforia de gênero terapia de saúde mental de alta qualidade. Em uma postagem de convidado neste blog[53], uma mulher que considerou a transição várias vezes durante sua vida compartilhou um momento de sua própria terapia que provou ser importante para ela.

“Quando eu comecei a terapia no início dos meus vinte anos, eu revelei à minha terapeuta que fui estuprada aos 18 anos. Já fazia quatro anos e nunca tinha contado a ninguém. No processo de revelar esse estupro e dizer-lhe sobre isso, afirmei, durante uma sessão, que queria me tornar um homem. Ela assentiu com a cabeça, disse que entendeu e que era algo que poderíamos explorar, mas que, contudo, precisávamos realmente falar sobre o estupro. Eu gostei da abordagem. Ela não era diretiva, julgadora ou reativa, ela simplesmente declarou que era algo para continuar falando, mas me incentivou a me concentrar na minha experiência de ter sido estuprada e outros traumas”.

Ao fornecer uma terapia de saúde mental de alta qualidade para todos os pacientes, comunicamos uma consideração incondicional positiva aos nossos pacientes com disforia de gênero, assim como faria com qualquer outra pessoa e como o terapeuta fez nesta postagem deste blog. Nós saudamos o anúncio de que eles sentem como se eles precisassem de transição com aceitação e curiosidade, comunicando que estamos dispostos a ir lá com eles, explorar esse desejo em toda sua complexidade, sem chegar a uma noção fixa do que é ideal para o nosso paciente. Nós veríamos a pessoa diante de nós em toda sua milagrosa complexidade; e não apenas como uma “identidade de gênero”.

Como terapeutas, nós fomos treinados para avaliar ou estimar a natureza, qualidade ou capacidade de alguém. Nós fomos treinados para imaginar sobre as camadas de significados que podem não estar visíveis à primeira vista. Nós fomos treinados para reconhecer e trabalhar com um trauma. Nós fomos treinados para ajudar nossos clientes a explorar suas vidas internas labirínticas. Quando os clientes vêm para mim, querendo saber se devem terminar um relacionamento com um namorado ou mudar de carreira, geralmente passamos meses considerando todas as diferentes facetas de tal decisão. Não devemos, pelo menos, um processo para alguém que contempla fazer mudanças permanentes em seu corpo, especialmente quando essa pessoa é um adolescente ou um jovem adulto?

[1] Where pre-owned binders find new homes https://www.transactiveonline.org/inabind/

[2] For parents of FTM Children/tens http://www.tranzwear.net/store.php/TranZwear/ct159601/for_parents_of_ftm_childrenteens#.WgBO–7yuM8

[3] Gender transitioning before puberty? https://www.researchgate.net/publication/50272376_Gender_Transitioning_before_Puberty

[4] Children and Gender. Series 9 – Episode 1 of 3 http://www.bbc.co.uk/programmes/b07kq5sv

[5] How a girl born at 2 pounds became a happy boy http://www.sandiegouniontribune.com/lifestyle/people/sdut-transgender-teens-new-life-2016apr07-story.html

[6] Puberty suppression in adolescentes with gender identity disorder: a prospective follow-up study http://www.pinktherapy.com/Portals/0/CourseResources/de_Vries_Puberty_Suppression_in_Adolescents_with_GD.pdf

[7] Deciding when to treat a youth for gender re-assignment https://www.kidsinthehouse.com/teenager/sexuality/transgender/deciding-when-to-treat-a-youth-for-gender-re-assignment

[8] http://www.transhealth.ucsf.edu/trans?page=guidelines-fertility

[9] Navigating câncer as a trans person is a nightmare http://www.newsweek.com/2016/07/29/cancer-transgender-health-hormone-therapies-482423.html

[10] Informed consente for testosterone therapy http://www.transgendertrend.com/wp-content/uploads/2016/07/Informed_Consent_-_Testosterone_Therapy.pdf

[11] An Open Letter to Julia Serano from One of the Detransitioned People You Claim to “Support” https://crashchaoscats.wordpress.com/2016/08/08/an-open-letter-to-julia-serano-from-one-of-the%E2%80%AD-%E2%80%ACdetransitioned-people-you%E2%80%AD-%E2%80%ACclaim-to%E2%80%AD-%E2%80%ACsupport%E2%80%AD/

[12] Response to Julia Serano: Detransition, Desistance, and Disinformation https://www.youtube.com/watch?v=9L2jyEDwpEw

[13] Response to “Fear of a Trans Planet” https://b0rnwr0ng.wordpress.com/2016/07/28/response-to-fear-of-a-trans-planet/

[14] https://glosswatch.com/2016/08/24/new-statesman-anorexia-breast-binding-and-the-legitimisation-of-body-hatred/

[15] 90% of teens unhappy with body shape http://www.dailymail.co.uk/news/article-205285/90-teens-unhappy-body-shape.html

[16] Female detransition and reidentification: Survey results and interpretation http://guideonragingstars.tumblr.com/post/149877706175/female-detransition-and-reidentification-survey

[17] Why are more girls than boys presenting to gender clinics? https://4thwavenow.com/2015/07/10/why-are-more-girls-than-boys-presenting-to-gender-clinics/

[18] Fuck Yeah FTMs! http://fuckyeahftms.tumblr.com/

[19] Beyond Binary http://www.bbc.co.uk/programmes/b07btlmk

[20] Relevance of suicide contagion https://b0rnwr0ng.wordpress.com/2016/09/07/relevance-of-suicide-contagion/

[21] THE CONTAGION OF SUICIDAL BEHAVIOR https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK207262/

[22] https://www.facebook.com/groups/WPATH/permalink/1168174486560309/

[23] Publications about Brain Anatomy and Physiology: The Teen Brain: 6 Things to Know https://www.nimh.nih.gov/health/publications/imaging-listing.shtml

[24] What’s Missing From the Conversation About Transgender Kids http://nymag.com/scienceofus/2016/07/whats-missing-from-the-conversation-about-transgender-kids.html

[25] Do Youth Transgender Diagnoses Put Would Be Gay, Lesbian, and Bisexual Adults at Risk for Unnecessary Medical Intervention? http://www.thehomoarchy.com/do-youth-transgender-diagnoses-put-would-be-gay-lesbian-bisexual-adults-at-risk-for-unnecessary-medical-intervention/

[26] Some questions for FtMs https://purplesagefem.wordpress.com/2016/08/22/some-questions-for-ftms/

[27] Mother of 5-Year-Old Transgender Girl Fights Texas School District Over Bathroom Access http://abcnews.go.com/Lifestyle/mother-year-transgender-girl-fights-texas-school-district/story?id=41266373

[28] FtMs and internalized homophobia https://purplesagefem.wordpress.com/2016/09/19/ftms-and-internalized-homophobia/

[29] Clash of identities: Transgender kid finds no room at Catholic school http://www.philly.com/philly/news/new_jersey/20160911_Clash_of_identities__Transgender_kid_finds_no_room_at_Catholic_school.html

[30] Growing Up Trans https://thewalrus.ca/growing-up-trans/

[31] Two years of gender identity service for minors: overrepresentation of natal girls with severe problems in adolescent development https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4396787/

[32] Psychiatric comorbidity in gender identity disorder https://www.researchgate.net/publication/7872160_Psychiatric_comorbidity_in_gender_identity_disorder

[33] Nota de tradução: comorbidade é a presença simultânea de duas doenças ou condições crônicas em um paciente.

[34] Dissociative symptoms in individuals with gender dysphoria: is the elevated prevalence real? https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25656174

[35] What I Needed: An Open Letter to Therapists from a Detransitioner https://youthtranscriticalprofessionals.org/2016/05/21/what-i-needed-an-open-letter-to-therapists-from-a-detransitioner/

[36] “I Was Not Given Options Other Than Transition:” Another Open Letter to Therapists from a Detransitioning Woman https://youthtranscriticalprofessionals.org/2016/05/26/i-was-not-given-options-other-than-transition-another-open-letter-to-therapists-from-a-detransitioning-woman/

[37] Social work professor speaks out on behalf of her FtM autistic daughter https://4thwavenow.com/2016/05/06/social-work-prof-speaks-out-on-behalf-of-her-ftm-autistic-daughter/

[38] Trans issues and gender identity https://sexandgenderintro.com/trans-issues-and-gender-identity/

[39] UK doctor prescribing cross-sex hormones to children as young as 12 https://www.theguardian.com/society/2016/jul/11/transgender-nhs-doctor-prescribing-sex-hormones-children-uk

[40] On Russo’s Is there something unique about the transgender brain? Well, yes and no. http://www.sexologytoday.org/2016/01/on-russos-is-there-something-unique.html

[41] Brain sex: The jury is still out—but does it matter? https://4thwavenow.com/2016/05/22/brain-sex-the-jury-is-still-out-but-does-it-matter/

[42] This Is What It’s Like To Be At War With Your Body https://medium.com/matter/this-is-what-its-like-to-be-at-war-with-your-body-8476df17bddf

[43] SUICIDE RISKS FOR TRANSGENDER PEOPLE https://web.archive.org/web/20150213054306/http:/transequality.org/PDFs/NCTE_Suicide_Prevention.pdf

[44] Long-Term Follow-Up of Transsexual Persons Undergoing Sex Reassignment Surgery: Cohort Study in Sweden http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0016885

[45] Young Adult Psychological Outcome After Puberty Suppression and Gender Reassignment http://pediatrics.aappublications.org/content/pediatrics/early/2014/09/02/peds.2013-2958.full.pdf

[46] Female detransition and reidentification: Survey results and interpretation http://guideonragingstars.tumblr.com/post/149877706175/female-detransition-and-reidentification-survey

[47] What Trans Activism Means To Me As A Parent https://www.transgendertrend.com/what-trans-activism-means-to-me-as-a-parent/

[48] Female detransition and reidentification: Survey results and interpretation http://guideonragingstars.tumblr.com/post/149877706175/female-detransition-and-reidentification-survey

[49] NOTA: No original o termo utilizado foi detransitioner que até onde notei não há uma tradução aceita por todos.

[50] https://mariacatt.com/

[51] BECOMING WHAT WE LOVE autogynephilic transsexualism conceptualized as an expression of romantic love http://www.annelawrence.com/becoming_what_we_love.pdf

[52] A STORY OF DESISTANCE https://thirdwaytrans.com/2017/10/16/a-story-of-desistance/

[53] Guest Post: A Response from a Reader to My Open Letter to Julia Serano https://crashchaoscats.wordpress.com/2016/09/13/guest-post-a-response-from-a-reader-to-my-open-letter-to-julia-serano/#more-568

Não Existe Criança Trans
Assign a menu in the Left Menu options.